quinta-feira, 26 de abril de 2018

Blogger, escritor, explicador, matemático,...

"Não tentes mudar o mundo, serás sempre infeliz!(...)", disseram-me há pouco menos de um ano.

Eu "não tenho vida"...
E sinceramente, não quero.
Escrevo no meu blog...
Escrevo umas histórias de vez em quando...
Dou explicações porque tenho de comer e tenho contas para pagar.
E... prefiro não dizer o que faço como matemático.
Cheguei à conclusão que não estou muito interessado em contribuir para este mundo.
Em 1995, a minha professora de Matemática fez-me um alerta quase profético...
(não vou dizer qual foi...), e hoje vejo que aquela mulher tinha tanta, mas mesmo tanta razão.
Gostava de, nessa altura, saber o que sei hoje.
Teria certamente tomado outras decisões.
Vou dar umas férias a este blog...
Volto cá um dia.
Ainda não sei bem quando.
Obrigado a todos os que me têm acompanhado ao longo dos anos.

quarta-feira, 25 de abril de 2018

Ossos do ofício (X) : O cansaço... e a frustração.

Uma daquelas frustrações que muitos professores deve sentir, é a de tentar ensinar um tema pelo qual é apaixonado e os alunos não estão minimamente interessados.
Qualquer coisa serve para os distrair...
A frustração aumenta quando são alunos com quem trabalhamos há anos e os vemos "degradar-se"... deixei as aspas para perceberem que a degradação, é nessa área do conhecimento.

Será sinal de que estamos a fazer mal o nosso trabalho?

Não quero debater o tema.
É uma frustração que me atingiu recentemente.
Que desgasta mais do qualquer tipo de fadiga ou cansaço.
E que me faz compreender melhor muitos professores de muitos explicandos que me foram passando "pelas mãos" ao longo dos anos.

É uma lição de vida.

sábado, 21 de abril de 2018

Caspa...

Caspa para mim é um belo problema.
Quando eu era bem mais novo a minha mãe dizia-me "não te preocupes, também tive isso quando eu era novo".
O meu pai dizia "Isso lava-se com sabão azul e depois tira-se bem o sabão"...

Hoje em dia tenho o couro cabeludo numa lástima... Já consultei médicos, uso shampoos de farmácia, anti-caspas... Já cheguei a ter a cabeça rapada algumas vezes.
Não me livro... foi desesperante...até ao dia em que deixei de me importar.
Importo-me com poucas coisas.
Continuo a não gostar de ter uma infecção fungica no couro cabeludo.
Mas, que se lixe...
Estou seriamente a pensar em passar a rapar regularmente a cabeça.
Com sorte fico com um ar mais novo.
Já tenho ar de quarentão desde os 20...
Pode ser que fique agora com ar de 20, aos 40.(not...)

sexta-feira, 20 de abril de 2018

A idade é um posto?

Hoje é um daqueles dias em que olho para o trabalho que tenho de fazer, coço a cabeça e penso 'preciso de dias maiores'.
Excesso de trabalho não é bom.
Não é bom?
Com o aumento da idade fui sendo 'proíbido' de certas coisas, e trabalho é aquilo que ainda posso fazer...
Com a idade, apareceram problemas de saúde... que trouxeram disciplina e limitações.
Coisas que só compreende quem quer.


quarta-feira, 18 de abril de 2018

Obstáculos

"Conta-se que num reino longínquo havia um rei muito rico. E muito curioso.
Certo dia, ele decidiu fazer uma experiência.
Sem que ninguém visse, mandou colocar uma pedra grande bem no meio do caminho principal.
E decidiu observar o que se iria passar.
Será que alguém iria tentar tirar a pedra?
Escondeu-se atrás de umas árvores e ficou a assistir as pessoas a passar.
Os primeiros a passar foram alguns dos mais ricos comerciantes e cortesãos do rei.
Em vez de tentarem mover a pedra, eles simplesmente contornaram a mesma.
E seguiram o seu caminho, queixando-se do rei por não manter a estrada limpa.
De seguida, foram passando muitas outras pessoas.
Todas fazendo o mesmo que as primeiras.
Ninguém tentou retirar a grande pedra do caminho.
Finalmente, apareceu um camponês.
Vinha bastante carregado com legumes.
Quando se aproximou da pedra, em vez de contorná-la como todos os outros, o camponês pousou a carga que trazia e tentou mover a pedra para o lado do caminho.
Depois de algum tempo e muito esforço, finalmente conseguiu.
O camponês pegou então nas suas coisas e, quando estava pronto para seguir, reparou que havia uma bolsa na estrada, exactamente no local onde tinha estado a pedra.
Abriu a bolsa e, para seu grande espanto, viu que estava cheia de moedas de ouro, juntamente com uma nota do próprio rei.
A nota do rei dizia que o ouro da bolsa era uma recompensa por tirar a pedra do caminho.
Com este gesto, o rei mostrou ao camponês o que muitos de nós, muitas vezes, não entendemos:
Todo o obstáculo apresenta uma oportunidade para melhorar a nossa situação e a nossa vida.
Então, em vez de evitá-los, porque não enfrentá-los?
E recolher as recompensas?..."


(autor desconhecido... - se conhecerem, por favor informem-me)
Este blog recusa-se a utilizar o Acordo Ortográfico de 1990